#8 Ofício de Ogum

A profissão de Mestre Ferreiro vai desaparecer em futuro próximo. Algumas das funções que ela cumpria na sociedade deixaram de existir, outras foram absorvidas pelos serralheiros. Não é o caso de se lamentar, mesmo porque não é em agonia que o ofício se extingue. O mundo muda, e os conhecimentos do ferro e do fogo tendem a sobreviver em outros contextos.

 

Aquarela de Carybé ("Os Deuses Africanos no Candomblé da Bahia") e texto de Reginaldo Prandi publicado em "Mitologia dos Orixás" p.95

 

No Candomblé, Ogum é quem domina a forja e a manufatura das ferramentas de ferro. Entre elas estão os instrumentos de agricultura, caça, guerra e todos

 

"Ferramenta de Ogum" aquarela de Carybé (Os Deuses Africanos no Candomblé da Bahia)

 

os utensílios que colaboram para o bem-estar na cidade e no campo. O mito faz referência a um tempo fora da história, quando os Orixás, antes dos humanos, aprenderam a utilizar os metais para superar desafios e satisfazer as demandas da vida em sociedade. O ferro ajudava a suprir necessidades de alimentação e moradia, e também culturais, uma vez que os objetos acabam materializando o jogo de identidade e diversidade nos grupos sociais.

A durabilidade do ferro chega a ser quase subversiva. Quem andar em Cachoeira e der atenção aos gradis que muitas casas ainda exibem, vai observar padrões de desenhos diversos, cheios de significados. Eles ajudaram a construir o estilo e a identidade do município, colaborando para definir por um lado a aparência da cidade, de outro, a forma como a sociedade se organiza.  Eles falam de status social, mas também de interesses, ofícios, saberes, posições políticas, grupos aos quais os habitantes se vinculam… um símbolo recorrente é a lira, que compõe a decoração de várias residências e depõe sobre a inserção de um grupo de indivíduos na sociedade.

 

Trecho de Pierre Verger sobre Ogun - Os Deuses Africanos no Candomblé da Bahia

 

 

"Ferro de Ogum" aquarela de Caybé (Os Deuses Africanos no Candomblé da Bahia)

 

Por ser durável, o ferro acaba por servir de testemunha e suporte de uma memória social que incomoda sobretudo aos proprietários dos edifícios. Como a cidade é tombada, eles testam a própria paciência esperando a cumplicidade do tempo para arruinar as construções dos séculos passados. É preciso dizer que o incômodo não procede de uma leitura inteligente da arquitetura e do urbanismo, mas de pura especulação imobiliária. Em geral os cachoeiranos têm bastante orgulhos de sua cidade. Não é o caso, portanto, de jogos de poder, controle da memória, e nada disso. Nesse caso a violência em relação ao patrimônio é bem mais truculenta e teimosa.

Enfim, o século XXI parece estar se desvencilhando da matéria tanto quanto é possível. Os objetos vêm prontos de fábrica, e não é difícil pensar que  a matéria-prima pode se transformar em produto sem a presença de um ser humano sequer. Os objetos de desejo muitas vezes são suportes que vão intermediar a experiência da música, da imagem, do vídeo ou do texto… Para essa sociedade tão próxima dos ambientes virtuais, os objetos feitos artesanalmente acabam se transformando em algo de uma ousadia extravagante, luxuosa até.

O apelo aos sentidos, a textura, a ferrugem, as marcas, os vestígios que denunciam o processo de produção ao invés de apagá-lo como fazem as indústrias, essa realidade toda permite a experimentação de algo nem um pouco vulgar em nosso tempo. A frequentação pelo tato e pelo olfato, para além do audiovisual que predomina em nosso tempo. Frequentação não de um objeto de plástico, alumínio ou imitação de madeira, materiais quase onipresentes na vida contemporânea e que repercutem o jogo industrial da vida útil do produto: entre o novo e o lixo o intervalo de tempo é cada vez mais curto. Mas a frequentação de objetos imediatos cheios de significados que somente a experiência sensível pode produzir.

No vídeo abaixo acompanhamos Guino, mestre ferreiro que vive em Cachoeira, no Recôncavo da Bahia, falando sobre sua profissão e produzindo

 

"Ferramenta de Yemanjá" aquarela de Carybé (Os Deuses Africanos no Candomblé da Bahia)

 

uma ferramenta de Yemanjá, conforme aquarela de Carybé publicada no livro “Os Deuses Africanos no Candomblé da Bahia“. Aqui ele trabalha como um bricolleur, reaproveitando materiais diversos e não somente o ferro.

Disponibilizar a informação em vídeo, ou seja, a partir do intermédio da câmera, dá o que pensar… sobretudo com a defesa da experiência tátil exposta acima. Mas é o que se tem, e de modo algum pretendo negar a validade da experiência da vida contemporânea, e nem deixar de participar dela. Não há o que se lamentar, isso já foi dito acima. A lente da filmadora vê coisas que o olho não vê, e as imagens em zoom parecem ser mais reais do que a realidade ela mesma. Traduzir o espaço real para o virtual é o meio disponível para investigar e compartilhar a experiência, e para reconstruí-la, ordená-la e servi-la como se deseja.

 

"Espada de Ogum" aquarela de Carybé ("Os Deuses Africanos no Candomblé da Bahia")

 

3 Comentários

Arquivado em Uncategorized

3 Respostas para “#8 Ofício de Ogum

  1. Não sei porque, mas não consegui ver o video;seu artigo, como sempre, alem de muito bem escrito , é esclarecedor em todos os sentidos. Obrigada por nos oferecer seu talento dessa maneira.
    Preciso escrever um artigo sobre a Irmandade da Boa Morte aqui de Cachoeira em contrapartida com as Irmandades da Boa Morte de Minas Gerais e ai tropecei na primeira dificuldade: aqui não existe registro de quando começou a Irmandade em Cachoeira. Assim como uma disputa entre Jejes e Ketu me deixa com a pena no ar…..
    Sera por que a Irmandade nunca foi tombada pelo IPHAN?

    • hguarilha

      Oi, Fátima, tudo bem? Olha só, sobre o vídeo, aqui em casa está funcionando normalmente. Tente abrir direto no vimeo, e se não conseguir me fala que eu coloco no dailymotion e disponibilizo o link.

      Sobre a Irmandade da Boa Morte eu de fato não sei de nada… As três melhores fontes para você buscar informações são:
      1) Cacau Nascimento (se não há registro de data, com certeza ele é o mais indicado para te indicar o que existe – ele publicou alguns textos no blog – http://cacaunascimento.blogspot.com, mas ultimamente não estou conseguindo ler as matérias…);
      2) Padre Sebastião Heber;
      3) A equipe da GEPEL, do Ipac, que fez (ou está fazendo) o registro da festa – fale com Mateus Torres.

      Se você quiser ajuda com as irmandades mineiras eu posso verificar. Alguma irmandade em Ouro Preto ou Mariana?
      abraços,
      obrigado pela visita,
      Hugo

      • Hugo, com relação às Irmandades mineiras, esta sob controle, já que a professora Sabrina ( de Arte Sacra) fez o mestrado dela nesse tema, ai em Minas.Mas a Boa Morte, não tem data de registro e nem da sua chegada aqui em Cachoeira, com precisão. Vou buscar informações com as pessoas que você indicou. Obrigada. Seus textos tambem são muito importantes….

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s